Após perseguições e ataques, Coronel David ganha no TSE direito de deixar PSL sem perder mandato

Coronel David, deputado estadual e Jair Messias Bolsonaro, Presidnete da República. Reprodução / Web

Um dos principais apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) no Estado, o deputado estadual Coronel David ganhou no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) o direito de continuar desfiliado do PSL sem risco de perder o mandato. A decisão é do relator do processo Ministro Alexandre de Moraes que seguiu a linha de que David foi isolado e perseguido pelos membros do diretório regional do partido em Mato Grosso do Sul, comandado pela senadora Soraya Thronicke.

“Afastou-se do propósito de repudiar a atuação do requerente, ou de informar a população acerca de pronunciamento de conteúdo eventualmente injusto do Parlamentar. Longe disso: o hostiliza ao expor seu histórico e apontá-lo como quem legisla contra o ‘desenvolvimento’, o ‘bem-estar’ e os ‘anseios da população’, externando, de modo claro, grave situação de desprestígio e perseguição ao requerente”, destacou Moraes sobre o pedido do Diretório Regional do PSL que recorreu contra o pedido de “justa desfiliação”.

Após a decisão proferida em instância superior, David afirmou a justiça está sendo feita. “Me sinto aliviado e com o sentimento de justiça”, resumiu.

David foi um dos responsáveis por trazer o presidente Jair Bolsonaro para Mato Grosso do Sul durante a pré-campanha para a Presidência da República em 2018. Na época o deputado estadual que era suplente, andou com o “Capitão” pelas cidades do Estado e migrou para o PSL a pedido de Bolsonaro para arregimentar pessoas para o partido. Considerada “nanica”, a sigla elegeu Soraya como senadora, dois deputados federais sendo um dele Luiz Ovando, e dois deputados estaduais, David e Capitão Contar que nas eleições de 2018 foi o campeão de votos com pouco mais 75 mil eleitores.

Assim como no cenário nacional, onde Bolsonaro foi “traído” por seus companheiros de partido após ser eleito presidente, o deputado estadual viu os companheiros de sigla entrarem em um ciclo de brigas intrapartidárias e disparos de ofensas que culminou na saída dele do partido. Jair Bolsonaro saiu da sigla em 2019 mesmo.

Com informações do Portal A Onça.