Associação de Policiais do Brasil pede voto auditável nas eleições de 2022

O presidente da OPB informou que mais 200 mil apoiadores cadastrados em todo Brasil apoiam a ideia para as eleições 2022.

Foto ilustrativa. Reprodução / Web

Em Pernambuco, o voto impresso auditável é defendido pelo presidente da Ordem dos Policiais do Brasil (OPB) Frederico França, atual presidente estadual do PSL.

O presidente da OPB informou que mais 200 mil apoiadores cadastrados em todo Brasil apoiam a ideia para as eleições 2022.

“O projeto já conta com quase 200 mil apoiadores cadastrados em todo o país em menos de cinco dias de formulário aberto”, conta França.

No Congresso Nacional o assunto está sendo levantado novamente com maior força pela deputada Federal Bia Kicis, do PSL. Já que a parlamentar é autora de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/19. O texto já foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e agora deve ser discutido em uma comissão especial.

A PEC 135/19 exige a impressão de cédulas em papel na votação e na apuração de eleições, plebiscitos e referendos no Brasil.
Pelo texto, essas cédulas poderão ser conferidas pelo eleitor e deverão ser depositadas em urnas indevassáveis de forma automática e sem contato manual, para fins de auditoria.

Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), insiste em dizer que a medida é desperdício e retrocesso. Segundo ele as Urnas Eletrônicas são "totalmente seguras".